terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Cinco minutos...



Ou 'Estatísticas sobre morte por atropelamento em avenidas..."

O relógio despertara e ela disse, sonolenta:

—Mais dez minutos.

Ela já sabia, cinco minutos não bastariam. Dormia tão bem quando, de repente, resolve pensar. O resultado foi um pensamento também sonolento, mas racional.

'Quanto tempo tem passado?'... Rapidamente lhe veio à mente que o tempo necessário, ou melhor, suficiente e indispensável para um bom descanso sempre nos parece perfeito, mas quando nos damos conta ele acelerou e segue a 100 Km/h ultrapassando nossas expectativas... relatividades. Olhou o relógio e comprovou que estava mais que certa, estava atrasada: 7h30!

Devia estar no ponto as 7h50, a caminhada até lá consumia 20 minutos. Definitivamente, estava atrasada.
Levantou-se num jato. 'Quem sabe avançar o horário do relógio?'. Não, isso nunca funcionava, pois sempre pensava na vantagem temporal que tinha com esse método e o gastava dormindo. Sempre atrasada. Mas nunca tanto assim. Escovou os dentes, lavou o rosto, colocou a roupa, prendeu o cabelo e não havia tempo pra base, lápis, batom ou blush. Engoliu café preto. No espelho uma constatação: ainda com cara de sono. Mas também, tudo tão rápido. Seu rosto mal abandonara a expressão sonolenta para acolher a de pressa, mas ela tinha que ir.

Saiu de casa, encostou a porta. A chave. 'A chave?'. A bolsa sempre guarda a chave. 'A bolsa?'. Entrou correndo, pegou a bolsa (esses segundos poderiam lhe custar um ônibus com horário pra passar) e, dentro dela a chave. Trancou a porta. 7h45. Vinte minutos ainda a separavam do ponto. 'Meu Deus', pensou. Chegaria ao ponto as 8h05, o ônibus passava de 10 em 10 minutos. Pegaria o de 8h10. Definitivamente 20 minutos de atraso eram inaceitáveis. 'Não, bem mais!', o trânsito aumentava conforme o horário passava.
Continuou apressando o passo. Apressando o passo e pensando na passarela que bem poderia lhe consumir uns cinco minutos todos os dias. 'Um dia só não faz mal... Se eu conseguisse pegar o das 8h...'
.
Não. Ela não conseguiria.

2 comentários:

  1. Gostei desse post :D , respondendo de la á cá. haha eu sou incrivelmente péssima pra titulos, seja la qual for! Dai um belo dia eu aqui escutando a musica ''O QUE EU TAMBÉM NÃO ENTENDO - Jota Quest'' gostei do trecho que amar é mesmo tudo haha :D Valeu, aquela frase é de um filme que gosto muito e pra não esquecer minhas origens, sempre rola um auê! Tem post novo, pequeno mas novo. e gostei do teu blog também [:

    ResponderExcluir
  2. Reticências. E o tempo sempre está lá roubando a cena. Gostei do texto e do final que nos deixa na expectativa de uma sequência...

    ResponderExcluir