sexta-feira, 13 de março de 2015

Depois de Auschwitz


OBS: Livro lido e resenhado para o Reading Challenge 2015, referente a categoria Um livro de Memórias.

Etapa: 3 de 52


Terminei essa leitura em fevereiro e posso dizer que esse foi um dos livros  mais intensos que já li. Como o Nazismo é um dos temas que me instigam, não pude deixar de sentir a força do relato de uma sobrevivente do Holocausto. Compartilho agora a resenha aqui no blog.

Eva sobreviveu ao campo de concentração nazista. De uma família de quatro pessoas, apenas ela e sua mãe puderam escapar com vida do lugar para o qual judeus eram enviados para morrer. Depois desse acontecimento que deixou marcas profundas em sua personalidade, Eva nunca foi capaz de conversar com a mãe sobre essas experiências. E com ninguém mais.O seu passado era algo do qual ela não queria lembrar, justamente porque os acontecimentos daquela época roubaram-lhe pessoas muito queridas sem as quais Eva teve que continuar a viver.

Este livro vai na contramão do que é comum - ir do contexto geral para o individual -, justamente por se tratar de um relato pessoal. Fiquei surpreendida com a força do relato, pois nunca havia lido nenhum livro sobre sobreviventes do Holocausto. Tinha lido, claro, ficções, como O menino do Pijama Listrado, A menina que roubava livros e O filho de Ester; também li O Diário de Anne Frank e análises do período Nazista, como em Mulheres do Nazismo.  Mas nunca tinha parado para ler um relato de uma pessoa que sobreviveu ao inferno do Holocausto, tendo que reaprender a viver em pleno mundo conturbado do pós-guerra e cheio de preconceito. E, apesar de entrevistas e filmes contextualizarem esse período, alguns até sobre a perspectiva de sobreviventes - como O Pianista, por exemplo -, o impacto de ter acesso ao relato sob a perspectiva de quem vivenciou esse genocídio e sobreviveu é avassalador. 

Mais tarde, Eva Schloss se tornaria a irmã póstuma de Anne Frank, após sua mãe casar-se com Otto Frank. E, em meio ao trabalho de Otto para não deixar a mensagem de Anne ser esquecida, é que Eva, muitos anos depois, consegue encontrar uma maneira de contar sua própria história como sobrevivente.  

A autora já tinha um livro publicado anteriormente, chamado A história de Eva, que fala sobre suas experiências no campo de concentração. Em Depois de Auschwitz, no entanto, ela fala de sua família - seu pai e irmão, ambos mortos - fazendo com que suas memórias não sejam esquecidas. Nessa segunda obra, Eva também traz a perspectiva de sua vida após a libertação dos campos de concentração pelo Exército Vermelho e como foi reaprender a viver.

Se você leu a resenha até aqui, espero de verdade que leia esse livro. A humanidade tem um lado perverso que chega a ser inacreditável, e é por esse motivo que relatos como o de Eva servem para termos uma memória e consciência histórica, evitando que o mesmo erro seja cometido ou aprendendo a criar forças para intervir, se for necessário. Recomendado.

Autora: Eva Schloss
Editora: Universo dos Livros
IBSN: 9788579305399
Páginas: 304
Edição: 
Ano: 2013

8 comentários:

  1. Oi!
    Ta aí um tema que eu amo: nazismo.
    Parece que quanto mais genocida, mais eu me interesso. Eu descubro essas coisas e fico pensando, "como?"
    Como uma pessoa pode ser capaz de causar tanto sofrimento pras outras?
    E assim como você, eu só tinha lido livros fictícios no contexto nazista. Nada muito intenso. Me arrancou lágrimas sim, mas não teve uma perspectiva totalmente crua. Um relato de uma sobrevivente deve conter histórias de embrulhar o estômago de tão fortes... Então, sim, eu com certeza leria!
    Não que os outros livros não tenham sido bons. Eles foram ótimos até, mas acredito que não contenham o grau de intensidade que esse da Eva tem. E ela é aparentada com a Anne? Que coincidência triste :(
    Falando na Anne, eu comecei a ler seu diário. Até agora está tudo ok com ela. Estou com medo de continuar e chegar na parte que tudo fica ruim.
    Ademais, eu agradeço bastante por essa indicação! Não conhecia esse livro, e eu acho que ele seria uma experiência valiosíssima.
    Histórias de atrocidades e vidas em condições desumanas nos fazem valorizar nossa tranquilidade relativa do mundo atual.
    Beijos, Amanda!
    http://www.expressodenarnia.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi
    apesar desse ser um gênero incomum do que eu estou acostumada,mas me interessou bastante esse contexto e será um dos livros a ir para minha lista de próximos a ler

    Bjs
    www.alfragadesign.com

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Quero muito ler esse livro. Vi o vídeo dela e fiquei tão triste. Ela sofreu muito, fiquei com muita pena. A história dela é fantástica, uma sobrevivente muito corajosa. =D

    http://meninadeparis.com

    Beijos

    Dayana

    ResponderExcluir
  4. Ola!! Li O diário de Anne Frank com treze anos e depois fiquei cinco anos sem ler (não, não foi um puta ressaca literária foi sofrimento mesmo na época eu achava que coisas ruim não aconteciam com crianças) depois disso li A Lista de Schindler e fiquei uns cinco dias entristecida então resolvi não ler mais nenhum livro que trate sobre o nazismo, a maldade humana me entristece demais,o mais estranho é que sou viciada em livros e filmes de terror com aquelas mortes mais sangrentas só que quando é baseado em fatos reais eu não leio nem assisto.

    BEIJOSSsss...

    http://sonhosdeleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Andressa!
    Eu não costumo ler ficções sobre o Nazismo. Gosto mesmo é de estudá-los, tenho vários livros mais didáticos sobre. Comecei a me interessar pelos baseados em experiências reais quando li sua resenha de Mulheres do Nazismo, e agora com Depois de Auschwitz. Também me interessei por A História de Eva e espero muito que você nos traga a resenha em breve. Esses três livros já estão em minha lista, assim como O Diário de Anne Frank. São livros que quero ler não por prazer, mas pra aprender com o sofrimento alheio. Porque parece que as pessoas mais sofridas são as que mais têm lições a nos ensinar.
    Com carinho,
    Celly.

    Me Livrando ❤

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem ? Não é meu tema preferido para ler, mas deve ser muito interessante, afinal de contas é parte da história mundial ne, provavelmente esse é um livro que emociona muito o leitor. Vou anotar a dica, que vou recomendar para um amigo que gosta do tema ^^ beijos

    www.somandoconhecimento.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Eu não costumo ler livros sobre o Holocausto, mas acho esse um tema muito interessante e importante também. O livro Depois de Auschwitz eu nunca tinha visto, mas fiquei bem curiosa em conhecer o relato de uma sobrevivente, deve ser muito emocionante acompanhar o que ela conta. Enfim, eu realmente fiquei curiosa com esse livro e espero um dia lê-lo.

    Beijos :*
    Larissa - http://srtabookaholic.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Eu sempre gosto de livros que trazem um fundo histórico colocando ali ficção e realidade lado a lado , mas qdo se trata de uma historia tão recente e traumática eu também tenho meus digamos um sentimento que me machuca um pouco ... mas acho importante que observando estes percalços do passado possamos melhorar nosso presente e futuro .. gostei muito da resenha bjsss

    ResponderExcluir