domingo, 26 de julho de 2015

Antigamente ou 10 anos atrás

"Oh! que saudades que tenho
Das redes sociais da minha vida,
Da minha adolescência querida
Que os anos não trazem mais!
Que orkut, que msn, que chats,
Criando depoimentos
Vendo quem entrou no meu perfil a cada momento,
Teclando até minha mãe não deixar mais!"

Parafraseando 'Meus oito anos', de Casimiro de Abreu

Ah, o orkut! Como era bom saber quem espiava seu perfil. Ainda lembro da sensação de retribuir visitas dazinimiga: tão boa. Fazia um bem comentar naquela comunidade preferida e depois encontrar os cometários posteriores feitos no mesmo tópico. Tudo tão organizado, tão lógico.

E o MSN, então? Criar grupos, conversar em chat, velhos tempos. Deixar aquele status, ir marcando as músicas que se ouvia. Chamar a atenção do seu amigo quando ele enrolava para responder.  Tudo tão perto do real.

Mas é 2015. Falar de orkut e MSN não é cool. Agora imperam Facebook, Twitter, WhatsApp. Cool é ser ativista de internet, antenado com os problemas políticos do país e ter uma resposta afiada para 'polemizar', ativando assim uma enxurrada de comentários dozamigo para te apoiarem quando alguém que pensa diferente vier opinar.

Cool também é bombar hashtags, saber se leram ou não a mensagem que você deixou, ostentar felicidade daquelas que nunca acabam. Cool é mostrar que sua vida é interessante 24 horas por dia, 7 dias por semana e ter muitos, muitos amigos - de preferência mais de 5 mil.

O mundo tá doido, minha conclusão. Será que alguém já fez um estudo de como essas 'aparências sociais' afetaram o ser humano no sentido psicossocial? Porque, olha, estamos precisando, viu. Então fica aí a minha sugestão.

COM SENTIDO

Agora, me acompanhe e veja como as lógicas do Orkut e MSN fazem sentido.

- alguém te liga, o número ficar registrado e você liga de volta, certo? Afinal, o que a pessoa desse número quer comigo, né?

- cê fala com a pessoa que é amiga sua QUE INICIOU UMA CONVERSA COM VOCÊ e ela não presta atenção. A reação mais lógica, praqueles que já têm certa intimidade, é meio que 'presta atenção, meu'. Se a intimidade for mais aprofundada, digamos, rola até contato físico questionador. Não sei se fui clara. 

Enfim, tudo muito lógico, pelo menos pra mim.

SEM SENTIDO

Agora, vamos à falta de lógica das redes sociais da vez:

- cê sai gritando/declarando na rua o quanto sua vida é interessante? Não me refiro aos seus amigos, porque, como eu escrevi, cada um com as suas intimidades, mas sai declarando pra geral?

- sabe aquela pessoa que, por algum motivo, frequentou o mesmo lugar que você, no mesmo horário por um certo tempo? Então, quando você encontra ela de novo, você abraça, conta detalhes da sua vida e opiniões? E praquele desconhecido que também curte sua banda de rock preferida?

- as pessoas que pensam igual sobre determinado tema tem que se identificar sempre, de modo que isso gere uma corrente entre elas?

- cê faz questão de toda vez saber se a pessoa ouviu o que você falou só para nutrir aquela sensação de 'eu sei que você sabe, você sabe que eu sei e mesmo assim fica com essa papagaiada', faz?

***

Ah, e se seu pensamento, em algum momento, foi 'Nossa! Orkut? Que coisa mais antiga/velha/arcaica!', então saiba que não conceituamos as palavras 'antiga/velha/arcaica' da mesma forma. Mas não se preocupe, isso é normal e mais comum do que você imagina. Acreditaria se eu dissesse que tem gente que discorda sobre a definição de 'amigos'? Pois é.

Nenhum comentário:

Postar um comentário