quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Explicando 'Sinestesia'


Tem coisas na vida que a gente precisa saber. Na minha, por exemplo, tem duas coisas que me encasquetaram durante muito tempo. A primeira era achar esse desenho - procurei por anos, mas isso é assunto para outro post. Vamos tratar da segunda coisa.

Quando eu decidi colocar o banner da sinestesia, minha motivação foi puramente estética. Deixa eu explicar melhor: eu queria fazer um gif ~porque adoro coisas que mudam~, daí pensei "mas gif do quê, Andressa?' e o resultado foi a união do útil ao agradável. Assim, surgiu o Banner da Sinestesia.

Sinestesia, para quem não sabe como eu até os 17 é algo que eu vou tentar definir agora com as minhas palavras de estudante de jornalismo que tenta explicar funções cerebrais e cognitivas (oi?) sem entender sacoisalinda direito. Bora lá.

Construindo o conceito ao longo da escrita, tipo fluxo do pensamento


Então, começando decentemente, sinestesia é a capacidade que nosso cérebro tem de interligar sentidos. Basicamente, (que de básico, na minha opinião, não tem nada, porque #AchoChique #AchoEngenhoso #QueriaTer) o cérebro faz 'pontezinhas' (acho que são os neurônios) entre, por exemplo, audição e paladar. Logo, a pessoa tem a capacidade de sentir sabor dos sons, digamos.

Mas a sinestesia não se limita apenas a sentir sabor de sons. Você pode também ver palavras quando elas são vocalizadas. Exemplo: alguém diz terça-feira. Uma pessoa com esse tipo de sinestesia consegue ver cores ou ver a palavra se formando à sua frente. Já li bastante sobre pessoas que dizem 'ah, sábado é amarelo' ou 'fevereiro é vermelho'. 

Já li também sobre ouvido absoluto, mas não sei se é sinestesia. Acho que é. Segundo minha definição, é sim. Mas só acho.

Pelo que li também, a sinestesia é uma capacidade que todos os seres humanos têm quando nascem, mas que grande parte perde conforme o cérebro se desenvolve ou algo assim.

Enquanto isso, um grupo seleto de pessoas - não sei o quão seleto, mas acho que é bastante porque até hoje não conheci NINGUÉM - não perde essa capacidade e a leva ao longo da vida. Mas, não. Não é mito.

Tô lendo aqui e acho que não deu pra 'pegar' a ideia. Vamos pesquisar, Andressa. Vamos pesquisar para continuar esse post.

Construindo o conceito a partir de pesquisas e referências


Vale lembrar que você já deve ter ouvido falar de sinestesia ao estudar literatura. Mas essa sinestesia da qual se trata o post não é a mesma da literatura - que se refere a uma figura de linguagem. Também não se refere a como você aprende (se você é mais visual, auditivo ou sinesteta), não é isso também.

É como se a pessoa sinestésica tivesse um outro sentido, uma forma diferente de sentir que vai além da visão, audição, tato, olfato e paladar. É como se esses sentidos fizessem conexões entre si  e essas conexões ajudassem a gerar uma nova forma de experimentar o mundo.

Há sinestesias mais raras que outras, como é o caso de saborear notas musicais e sons. Pode parecer confuso (como o título desse post), mas acredite: você pega o jeito depois que se acostumar com as variações

[Recomendo a leitura desse post se houver interesse em sinestesia e ouvido absoluto.]

A motivação desse interesse e Experiências


Minha relação com sinestésicos é como aquela que nutro pelos mutantes do X-Men: queria ser um.

É uma forma peculiar de enxergar e sentir o mundo. A experiência com o que está à sua volta parece que é personalizada, entende?

Pode parecer loucura, mas consigo lembrar de algumas experiências que tive com a sinestesia.

Quando eu sinto cheiro de água fervendo (com sal e óleo para fazer macarrão) lembro de estar sentada na cozinha, vendo minha mãe ali. É automático. E, pelas perguntas que já fiz, a 'cozinha que eu lembro' era da época que eu tinha 3-4 anos.

Uma vez fiquei doente e estava meio febril. Eu estava no quarto da casa da minha madrinha e, próximo à parede, tinha uma madeirite (dessa rosinha) que ia do chão ao teto. Lembro que tinha uma cortina na frente da madeirite. Toda vez que eu olhava,sentia a madeira raspar na minha garganta. Era uma sensação que me deixava agoniada e que eu não sabia como, mas estava associada à madeira. Eu tinha uns 5-6 anos na época.

Esses dias, no trabalho, estava digitando em uma planilha excel quando, de repente, cada toque do dedo no teclado me dava uma sensação estranhíssima. A sensação era de um novo sentido, totalmente inexplorado. Eu parei de digitar, passei o polegar pelos outros dedos (tipo assim: eu pego o polegar e encosto no mindinho e arrasto pro anelar, dedo médio e depois indicador - e repito algumas vezes) para 'sentir' e nada. A coisa era com o teclado. Mas aí, meu chefe chegou e pediu pra eu inserir um dado na planilha e lá fomos nós. Quando voltei a digitar, a mesma sensação. Eu digitava e fechava os olhos para me concentrar na sensação que me dava agonia. Lembrei da parede e, de repente, a sensação foi passando. 
***

Não sei se você já teve alguma sensação similar à sinestesia ou se conhece alguém que tenha a própria. Por isso, peço de coração: se conhecer, por favor, eu imploro, me avisa, ok? Então tá combinado.

5 comentários:

  1. Adorei o texto *O*

    http://meubaudeestrelas.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/blogmeubaudeestrelas

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o post! Esse lance de cores e palavras, tenho muito disso. Quando alguém está falando algo é meio involuntário, mas acabo assimilando a determinada cores. Minha mãe sempre disse que eu estava caducando. Hehe

    Beijos, Fran.
    www.delirioscotidianos.com

    ResponderExcluir
  3. Olha, preciso dizer que fiz um nó aqui na mind hahhaha sério.
    Primeiro de tudo, sumi um pouco daqui porque sumi mesmo da internet, tá uma loucura essa semana, mas aqui estou!
    agora, voltando ao post hahha, as vezes tenho essas loucuras de associar palavras as cores, tipo segunda-feira me lembra amarelo, e as vezes me pego encarando para algo e imaginando, como você disse da madeira na garganta, coisas desse tipo. Tipo, como se eu espetasse meu dedo na madeira, e dai eu sinto a dor e @.@ olha, não sei explicar haauhhuaa fiquei meio lsd agora com esse post. Mas mandou bem em explicar esse lance aí, não sabia direito oO mas ainda acho que de "sinestesia" eu tenho nada não kkk
    beijão, Lê :*

    osbeneficiosdebebercafe.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehe tive que comentar teu comentário. Porque pra mim a segunda-feira também é amarela. E essas coisas que imaginamos e sem acontecer, sentimos. Isso é sinistro. Hehe

      Excluir